Connect with us

Isso é Brasil

“Não aceitamos que o PT seja objeto de execração pública”, afirma petista

Publicado

em

rui falcãoO presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, saiu em defesa da legenda em entrevista ao jornal “Brasil Econômico”. “Não é a primeira vez que somos alvo de ataques. O PT ajudou a construir a democracia no Brasil e tem muitos compromissos com o futuro do nosso país”, enfatizou.

Falcão falou sobre a importância do 5º Congresso Nacional do PT, que acontecerá entre os dias 11 e 13 de junho, em Salvador (BA). Segundo ele, este será um momento de fazer um balanço da participação da legenda no governo, propor ações para os próximos anos e corrigir eventuais erros. “É um momento de muita reflexão, mas também de autocrítica, de fazer um balanço com humildade, porque nenhum partido é perfeito”, disse.

“O que não estamos aceitando neste momento é que o PT seja objeto de execração pública, essa tentativa de nos criminalizar, ao mesmo tempo em que se tenta criminalizar os movimentos sociais”, completou. Sobre as manifestações contra o partido e contra a presidenta Dilma Rousseff, Falcão ressaltou que “a melhor panela é a panela cheia”.

“Acho ruim as pessoas se manifestarem com panelas em vez de argumentos, mas é um direito. A melhor panela é a panela cheia, que o trabalhador brasileiro passou a ter depois que ganhamos a eleição, em 2002″, respondeu. O presidente do PT defendeu o prosseguimento das investigações da Operação Lava Jato. Ele voltou a dizer que é preciso garantir uma Justiça igual para todos e reafirmou que os condenados por maus feitos ou ilegalidades serão expulsos do partido.

“O que não queremos é que haja vazamentos seletivos, como tem ocorrido desde o início da apuração desse processo. (…) E, ao final do processo, com ampla defesa, os condenados sofram os rigores da lei”, afirmou Falcão. Sobre a prisão preventiva do ex-secretário de Finanças da legenda, João Vaccari Neto, o dirigente afirmou acreditar na inocência do petista.

“Eu acho que não há razões para prisão preventiva. Todas as vezes em que lhe foi solicitado, ele prestou esclarecimentos, foi à Polícia Federal, depôs na CPI, embora não fosse obrigado a depor. Nosso advogado está procurando demonstrar isso. Acho que quem acusa, tem que provar”, falou. Falcão também defendeu o financiamento público de campanhas eleitorais e a fixação de um teto para estes gastos, de forma a “baratear” custos.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

PUBLICIDADE


ESTAMOS NO Facebook

Copyright © 2017 Política na Rede