Hupes lidera pesquisa para desenvolvimento de medicação inédita no tratamento da depressão grave e risco iminente de suicídio

Uma medicação inédita pode mudar os rumos no tratamento de pacientes com depressão grave e risco iminente de suicídio. Trata-se de um novo medicamento em formato de spray nasal e com ação quase imediata. O Serviço de Psiquiatria do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos da Universidade Federal da Bahia e vinculado à Rede Ebserh (Hupes/UFBA- Ebserh), há oito anos desenvolve pesquisas com a cetamina e seus derivados, uma droga até então usada como anestésico e analgésico. A comunidade científica internacional reconhece a cetamina como uma das maiores revoluções em saúde mental das últimas décadas. Várias ramificações das pesquisas conduzidas no Hupes dizem respeito a tentativa de encontrar formas de cetamina acessíveis economicamente e com melhor tolerabilidade para o paciente. Além de já ter beneficiado centenas de pacientes, os resultados encontrados até o momento pelo grupo de pesquisa coordenado pelo Psiquiatra e professor da UFBA, Lucas Quarantini, vem sendo apresentado em congressos nacionais, internacionais e revistas especializadas. Quarantini destaca que o medicamento é indicado para pacientes com quadros graves e que já falharam anteriormente no uso de outros antidepressivos. “Este medicamento é considerado um avanço significativo na condução de tratamentos psiquiátricos. Com ele se criou uma nova classe de medicamentos: os antidepressivos de ação rápida”, explica o psiquiatra. O fármaco poderá chegar ao mercado em breve no Brasil, após autorização dos órgãos competentes. Caso seja aprovado, seria o primeiro psicodélico utilizado no tratamento de doenças psiquiátricas com respaldo de autoridades sanitárias. O produto está em fase avançada de testes. De acordo com o psiquiatra Lucas Quarantini, a eficácia em pacientes adultos já foi comprovada. Os estudos do Hupes agora concentram esforços em testar a medicação em pacientes entre 12 e 17 anos. Outro ponto importante ressaltado pelo professor Quarantini é o fato de que diversos hospitais e outras universidades aprenderam as técnicas de aplicação no Hupes. O grupo de pesquisa faz parte do Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS) e pesquisas acadêmicas ligadas ao programa de Pós-Graduação em Medicina e Saúde da UFBA.
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM