‘Ao relegar Conceição Evaristo, a ABL perdeu a chance de fazer história”, diz Marta

“Conceição Evaristo é a nossa imortal e a Academia Brasileira de Letras perdeu a chance de fazer história ao não suprir a ausência da representatividade de nosso povo em suas cadeiras”. A declaração é da vereadora de Salvador e líder da Oposição na Câmara, Marta Rodrigues (PT).

Para ela, a falta de escuta da Academia ao clamor popular pela eleição da escritora mineira é mais um traço das dinâmicas racistas da sociedade brasileira. Autora de seis livros publicados ao longo da carreira e vencedora do Jabuti, o mais tradicional prêmio da literatura brasileira, Conceição nasceu numa favela em Belo Hoizonte, foi empregada doméstica e se formou em Letras, tornando-se mestra e doutora, uma intelectual negra reconhecida nacional e internacionalmente.

Marta destaca, ainda, que antes de Conceição, o escritor Lima Barreto, negro, já havia sido preterido. “É a primeira vez que a ABL tem uma disputa legitimada pelos movimentos negros e feministas. Conceição Evaristo representa nas letras, a escrevivência, um método linguístico e narrativo da sua autoria, que incorpora as histórias e vivências da maior parte da população, por isso ter sido tão popular o pleito pela sétima cadeira”, disse.

Marta afirma, ainda, que a formação da ABL, majoritariamente branca e masculina, pode ser vista em quase todas as instituições brasileiras. “Não temos uma sociedade com instituições que nos representem como mulheres negras, homens negros, que formamos a maioria desse país. A ABL assim como todas as instituições, um dia vai ter que sanar essa dívida com o nosso povo”, pontuou.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

FOLLOW @ INSTAGRAM