HGRS promove sessão para alertar sobre uso racional de antibióticos

A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Geral Roberto Santos (CCIH-HGRS) promoverá, no dia 30 de outubro, mais uma ‘Sessão de Antibióticos’ para médicos e estudantes de medicina. Aberto também a profissionais que não atuam na instituição, o encontro, que é uma agenda mensal, acontece sempre no auditório central do HGRS, às 7h30.

O objetivo principal da atividade, conforme explica o infectologista Thiago Cavalcanti, coordenador da CCIH-HGRS, é abordar temas relacionados ao uso racional dos antibióticos no ambiente hospitalar a fim de evitar o desenvolvimento de bactérias multirresistentes. “Diariamente, realizamos visitas nos setores do hospital para avaliar a prescrição dos antibióticos, orientando a dose correta do medicamento certo e o tempo necessário para o tipo de infecção do paciente”, conta. Segundo ele, ao intensificar o conhecimento dos médicos sobre a importância do programa de controle de antibióticos, a CCIH espera também ajudar a reduzir o tempo que o paciente permanece internado no hospital.

Nas sessões de antibióticos, as apresentações são feitas por médicos residentes da clínica médica, com orientação de um médico da CCIH. “Nossa equipe mostra ao residente a forma como o infectologista avalia o caso de um paciente com infecção, ensinamos a interpretar o antibiograma das culturas de bactérias de forma que ele saiba como tratar adequadamente aquela bactéria, passamos artigos importantes relacionados ao assunto que será apresentado e debatemos para que extraia o que existe de mais relevante”, explica Verônica Diniz Rocha, infectologista da CCIH-HGRS.

A médica lembra que, até o dia que o residente apresenta o caso clínico, ele realiza, ao menos, três encontros com seu orientador. “Os assuntos abordados são baseados em casos clínicos de pacientes que o residente tenha participado da condução. O caso é usado como ponto de partida para apresentarmos os antibióticos que o paciente fez uso e, daí, falar sobre as características daquele antibiótico, indicações de uso, mecanismo de ação, doses e efeitos adversos. Usamos as culturas de bactérias que foram identificadas no paciente durante a sua internação e, com elas, o residente ensina aos outros como fazer a interpretação a partir, por exemplo, do sangue, urina e secreção”, completa Verônica.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM