Salvador espera ocupação hoteleira superior a 95% no Réveillon

Entidades ligadas ao trade turístico estimam que a ocupação hoteleira no Réveillon Salvador 2017 seja superior a 95%, índice registrado na mesma época do ano passado. Salvador conta com mais de 400 hotéis em atividade, com 40 mil leitos disponíveis ao público. É a terceira capital do país com maior número de leitos, perdendo para São Paulo e Rio de Janeiro. E a expectativa positiva para ocupar grande parte dos quartos disponíveis se dá pela antecipação da grade de atrações do Réveillon, com seis meses de antecedência, e o lançamento do Verão de Salvador, que deve adiantar a vinda de turistas à cidade, além de prolongar o período de estadia.

Para o presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação, Sílvio Pessoa, a procura por reservas em hotéis deve crescer muito nos próximos 20 dias em razão da chegada do grande evento de virada de ano. “Essa é uma festa popular, onde não se cobra ingresso, o que ajuda a vender ainda mais a cidade. Teremos um bom Réveillon, devemos ter também um bom Carnaval, e agora vamos planejar a cidade para os 365 dias do ano. Temos de ter um calendário permanente de eventos para que o setor fique sempre aquecido. Nossa expectativa é que possamos superar o sucesso da ocupação na rede hoteleira em comparação com o ano passado”, observa Pessoa.

Ainda de acordo com o empresário, é esperado grande movimento também em bares e restaurantes com a aproximação do evento e o aumento do número de reservas nos hotéis, sobretudo naqueles estabelecimentos instalados em pontos turísticos e naquelas áreas requalificadas pela Prefeitura. “Estamos vivendo um momento em que a economia está em frangalhos. Enquanto a economia não reagir, vamos ter de apertar o cinto, mas acredito que teremos movimento maior no circuito turístico, de Stella Maris até o Pelourinho, passando pela Barra e Rio Vermelho. Fora desse circuito, teremos, infelizmente, de conviver com a influência da economia”, acrescenta.

O presidente do Sindicato das Empresas de Turismo no Estado da Bahia (Sindetur) e do Conselho Baiano de Turismo (CBTur), Luiz Augusto Leão Costa, diz que interfere positivamente no setor a qualidade da grade de atrações já confirmadas para a festa de virada de ano. “A grade foi lançada com maior antecedência que ano passado e, por isso, foi possível organizar um planejamento estratégico específico para essa época do ano. Existe, nesse momento, um freio na economia, mas nossa meta é termos um desempenho ainda melhor em toda a cadeia ligada ao turismo, do comércio à hotelaria, passando por ambulantes, taxistas e outras atividades”, afirmou.

Bares e restaurantes – Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Seção Bahia (Abrasel), a estimativa é que nessa época do ano, no pré e pós-Réveillon, seja registrado incremento de 8 a 10% das vendas nos bares e restaurantes da cidade. Essa expectativa de ampliação dos ganhos, de acordo com o presidente-executivo da entidade, Luiz Henrique Amaral, seria um alento para os dias difíceis que o segmento anda enfrentando. “Estamos numa crise violenta, com uma demanda reprimida. Nossa expectativa é ter fluxo maior para reativar a economia, preparados e esperançosos na recuperação dos negócios. Fizemos um melhor planejamento para a chegada desses turistas, já que tivemos a antecipação da grade de atrações. A consolidação desse calendário de festas reafirma Salvador como destino turístico nessa época do ano, sobretudo no Réveillon”.

Comércio – Quem também ganha no Réveillon, e muito, é o comércio informal. Segundo o presidente da Associação dos Feirantes e Ambulantes de Salvador e Região Metropolitana, Marcos Luiz Neves, mais conhecido como Cazuza, numa época como o Réveillon as vendas chegam a crescer 70% em comparação com o restante do ano. “Esse ano, por conta da crise, calculamos que talvez seja um pouco menor em virtude do que está acontecendo na economia do país, mas mesmo assim consideramos que vai ser um ano bom para nós”, diz, comemorando o ordenamento para a atividade do comércio informal na Praça Cairu.

E essa será a primeira virada de ano para os comerciantes do Mercado do Rio Vermelho, agora chamada Vila Caramuru. O diretor jurídico da Associação de Moradores e Amigos do Rio Vermelho (Amarv), membro do Conselho Social e de Segurança do Rio Vermelho e Ondina e presidente da Associação de Comerciantes da Vila Caramuru, Mercio Alves de Jesus, acredita que o espaço, recentemente recuperado pela Prefeitura, deve ser um dos polos de atração de pessoas nessa época. “Estamos muito próximos de dois parques hoteleiros, que é o do RV e da Ondina, e nem todos os turistas e soteropolitanos poderão se acomodar na Praça Cairu. Nos tornamos mais um local de atração interessante para a virada do ano”, afirmou

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM