Sindseps repudia declaração de vereador que considerou guardas municipais como uma “verdadeira milícia”

O termo “milícia” de acordo com o dicionário Michaelis quer dizer “carreira ou disciplina”. A publicação também remete à “qualquer corporação bem disciplinada como a tropa”. Habitualmente usada para designar grupos armados à margem da lei, a palavra tem sido equivocadamente utilizada nos noticiários para designar bando de criminosos travestidos de legalidade policial que cometem abusos contra cidadãos.

Após uma ação protagonizada por guardas municipais no estrito cumprimento do dever legal, na madrugada desta quarta-feira (17) – tendo um denunciante alegado que teria sido vitimado por integrantes da Guarda Civil Municipal de Salvador (GCMS) depois de ter “furado” uma abordagem da blitz da “Lei Seca” promovida pela Transalvador -, deu causa para algumas declarações emitidas para desqualificar o trabalho dos GCM’s que prestavam apoio à operação e garantiam a integridade dos servidores municipais que zelavam pela vida na noite soteropolitana.

Adjetivos pejorativos como “verdadeira milícia” foram lançados contra os servidores na tentativa de impor uma imagem negativa da categoria. Um ato que os GCM’s repudiam e que a direção do Sindicato dos Servidores da Prefeitura do Salvador – Sindseps não aceita sob nenhum aspecto. O coordenador geral da entidade, Everaldo Braga criticou a postura de um vereador da capital baiana que inadvertidamente comentou a ação dos GCM’s sem ter total conhecimento dos fatos. “Lamentável ter que admitir que faltou sensibilidade ao vereador para lidar com a situação. Fazer parte da ‘orquestra de uma nota só’ que tenta demonizar o trabalho dos guardas municipais não pode ser algo inerente a um edil. Não compactuamos com conduta irresponsável de qualquer servidor público, da mesma forma que não podemos aceitar que sejamos ultrajados com adjetivações desrespeitosas”, disse Braga.

O dirigente do Sindseps ainda fez uma consideração sobre o fato que deu causa ao comentário do vereador Luiz Carlos Suíca (PT). “Da mesma forma que o vereador quer defender um integrante da categoria que ele faz parte, cabe ao nosso sindicato fazê-lo também com mais segurança e buscando saber o que realmente aconteceu, pois a situação em que se envolveu o denunciante conflita com a legalidade, segundo o relato feito na Central de Flagrantes da Polícia Civil. Ressalto que não compactuamos com condutas irresponsáveis. Queremos a devida apuração dos fatos pela autoridade policial e pela superintendência [Susprev – Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção a Violência], pois não nos cabe nenhum julgamento precipitado sobre a conduta dos guardas municipais e até mesmo do denunciante. O edil vai tomar conhecimento dos fatos e certamente mudará de opinião e o fará de público da mesma forma que disparou adjetivos que não condizem com a imagem dos servidores municipais. Aguardaremos a retratação do vereador e buscaremos medidas se isso não ocorrer”, finalizou.

Segundo relato feito pela Guarda Municipal,  o denunciante Bruno Conceição Santos, que conduzia a moto Honda XRE300 de cor branca, modelo 2015, placa NYK 8220, apresentou o documento de uma motocicleta XRE300 preta, modelo 2010, e em nome de outro proprietário. Além disso, a moto estava com a placa sem lacre, IPVA atrasado desde 2014 e com o carona, Jorge de Oliveira Costa, que não foi atingido.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM