Pro-Saúde demite nove médicos na UPA de Escada

SaudeA Pro-Saúde demonstrou mais uma vez a sua face malévola. Uma semana após assinar um acordo com os médicos da UPA de Escada no Tribunal Regional do Trabalho, a empresa, em clara atitude de retaliação à greve recém finalizada, demitiu nove médicos da unidade nesta terça (1). Os profissionais foram informados do desligamento quando ainda estavam de plantão e os que chegavam para o período da noite foram impedidos de assumir seus postos.

O presidente do Sindimed, Francisco Magalhães, cobrou prontamente um posicionamento do secretário de saúde Fábio Vilas Boas, o qual agendou uma audiência para amanhã, dia 2. No final da tarde, foi para a UPA acompanhado de três diretores e de dois advogados sendo registrado um boletim de ocorrência na 5ª Delegacia de Periperi.

Esta atitude é o corolário de uma série de ações condenáveis da Pro-Saúde desrespeitando os médicos, o poder público, a Justiça e a própria população. No curso da greve, a empresa assediou, hostilizou, tentou coagir os profissionais e ignorou solenemente convocações do Ministério Público do Trabalho e da Secretaria de Saúde do Estado. Existem ainda fortes indícios que a Pro-Saúde contratou um grupo auto-intitulado UniBairros responsável por um atentado ao presidente e funcionários do Sindimed.

A Pro-Saúde, ligada a Igreja Católica e presidida por um Arcebispo, não preenche os requisitos mínimos morais, éticos e administrativos para administrar a UPA de Escada e qualquer outra unidade de Saúde.

Share

One Ping

  1. Pingback: Pró-Saúde esclarece as demissões dos médicos da UPA de Escada | Política na Rede

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM