Câmara aprovaria impeachment de Dilma, diz Benito Gama

benito gamaBenito Gama, que hoje é vice-presidente do PTB, partido que apoiou Aécio Neves (PSDB) na eleição presidencial e ensaia uma fusão com o também oposicionista DEM, diz que o resultado da votação de um impeachment seria semelhante ao da eleição para a presidência da Câmara, em que o peemedebista Eduardo Cunha derrotou em primeiro turno o candidato do Planalto, Arlindo Chinaglia (PT-SP).

“O governo teria hoje os mesmos 136 votos dados ao Chinaglia na disputa pela presidência da Câmara”, diagnosticou Benito Gama. Para escapar da abertura de um eventual processo de impeachment, ele lembra, o governo teria de garantir um mínimo de 171 votos. Segundo o deputado, essa seria uma missão difícil em decorrência da crescente dificuldade do governo no Congresso e diante da expectativa de agravamento da crise política com a divulgação da lista de políticos investigados pelo Supremo Tribunal Federal.

No quinto mandato de deputado federal, Benito Gama pertenceu à base de Collor no Congresso, mas mudou de lado ao presidir a CPI que descobriu o vínculo entre a propina arrecadada pelo empresário Paulo César Farias, o PC, com as despesas da família do então presidente da República. Por ironia do destino, o vice-presidente nacional do PTB hoje é correligionário de Collor.

Benito Gama não quis participar da CPI da Petrobras ,“minha fase de delegacia se encerrou” mas frisou que até o momento não há qualquer fato que respalde um eventual pedido de impeachment. “Se der uma descarga no que é demagógico, partidário, político, eleitoreiro e emocional, até podem surgir as condições para o pedido de impeachment. Nesse momento, embora haja pressão popular, não há fatos como em 1992”, diz o baiano.

Ele avalia que em 1992 agiu certo ao se rebelar contra a orientação de seu ex-chefe político e cacique do PFL, o ex-governador da Bahia Antônio Carlos Magalhães, para garantir o aprofundamento das investigações contra Collor e, mais tarde, como o primeiro deputado a votar pelo impeachment. “Não me arrependo. Faria tudo de novo”, afirmou, garantindo que não se sente constrangido em dividir espaço com Collor no mesmo partido. “Temos uma relação civilizada”, disse, com uma leve estocada no hoje companheiro de PTB: “Pelo jeito ele não aprendeu”, brincou. Suspeito de receber propina da Petrobras, Collor é um dos alvos das investigações que serão tocadas pelo Supremo Tribunal Federal. (iG)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM