Graça sofre desgaste, mas Dilma a mantém no cargo

graça fosterA presidente da Petrobrás, Graça Foster, sofreu mais um grande desgaste nesta semana ao divulgar avaliação de que ativos da estatal estariam inflados em R$ 88,6 bilhões. E sua imagem no Palácio do Planalto piorou ainda mais com as declarações de que a exploração de petróleo cairá “ao mínimo necessário” e de que haverá corte de investimentos e desaceleração de projetos.

Mesmo assim, a presidente Dilma Rousseff e os ministros que a cercam entendem que, apesar dos problemas e da sustentação política da executiva ter descido mais um degrau, é importante a permanência de Graça no cargo para continuar na função de colchão, uma barreira para evitar que a crise da empresa atinja o Palácio do Planalto e a presidente Dilma diretamente.

“Foi mais um desgaste”, disse um interlocutor direto da presidente Dilma, ao revelar que, apesar disso, “não há nenhum sinal” de que o comando da empresa será alterado. O núcleo palaciano sabe, no entanto, que vão aumentar as pressões pela substituição de Graça e a diretoria da empresa.

Dilma, no entanto, continua a resistir às pressões porque acredita na capacidade e na honestidade de Graça Foster, além do que a eventual saída levaria a crise para dentro do Palácio. Perdas e danos. Por essa avaliação, Graça Foster teria agido de forma ingênua ao revelar a estimativa de R$ 88,6 bilhões de perdas potenciais com ativos superavaliados.

Além disso, lembra-se nos bastidores que os números contabilizados como ligados à corrupção na empresa eram da ordem de R$ 4 bilhões. Da forma como Graça apresentou, ficou parecendo que todos os R$ 88,6 bilhões se referiam a desvios. (Com informações do Estadão)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

FOLLOW @ INSTAGRAM